Hoje é:

  Blogue diário Notícias do Pedal,tudo sobre bicicletas em: revistanoticiasdopedal.blogspot.pt -»  Clique...
 

Estatuto Editorial | Ficha Técnica | Apresentação | Galeria Multimédia | Contactos
 
 
 
Ciclismo
 
 

“Seleção Nacional/Rui Oliveira entra na discussão do sprint e termina Europeu no 16.º posto”

Por: José Carlos Gomes
O português Rui Oliveira foi o 16.º classificado na prova de fundo do Campeonato da Europa de Estrada, ganha pelo neerlandês Fabio Jakobsen, em Munique, Alemanha.
A corrida foi animada praticamente desde o quilómetro inicial por um duo, o austríaco Lukas Pöstlberger e o suíço Silvan Dillier. Os dois entraram adiantados na parte urbana dos 209,4 quilómetros. Apesar de longa, a fuga nunca teve grande margem, devido ao ritmo vivo e à postura atenta do pelotão, comandado pelas seleções mais fortes e numerosas.
A fuga terminou a 27 quilómetros do final, com metade do percurso feito em território citadino já deixado para trás. Nessa altura as equipas com aspirações a uma vitória ao sprint controlaram o pelotão com mão de ferro, impedindo o sucesso de qualquer aventureiro que procurasse surpreender.
Rui Oliveira fez um trabalho fenomenal de colocação, seguindo a roda das seleções mais fortes para conseguir estar no lote dos homens em condições de discutir as primeiras posições. Já dentro do quilómetro final, o corredor português escapou por pouco a uma queda, vendo travar de repente um homem que seguia à sua frente.
Apesar disso, Rui Oliveira voltou a juntar-se àqueles que se bateram pelo título, terminando na 16.ª posição, com o mesmo tempo do neerlandês Fabio Jakobsen, o mais potente do sprint. O segundo foi o francês Arnaud Démare e o terceiro o belga Tim Merlier.
“Sinceramente, foi mais difícil do que eu esperava. Foi toda a corrida a tentar colocar-me na frente nos sítios mais perigosos, poupando força onde podia. Estive sempre atento e consegui estar com os melhores nos momentos decisivos. Estava mesmo a sentir-me bem. No último quilómetro fiz a viragem nos dez primeiros. Entretanto, passaram por mim o Michael Mørkøv e o Mads Pedersen e eu sabia que este ia discutir a corrida. Aproveitei para ir na roda deles e para mim seria perfeito. Mas um corredor italiano fez uma manobra que quase derrubava o Pedersen. Perdemos ali o momento e tive de voltar a colocar-me ao vento e as forças ficaram justas. Estou orgulhoso da corrida que fiz, mas ir à água sozinho e fazer todas as movimentações para a frente sozinho tornou difícil fazer melhor. Lutei com as armas que tinha”, descreve Rui Oliveira.
“As seleções com mais elementos colocaram um ritmo infernal e o Rui, sozinho, teve o grande mérito de saber colocar-se. Fazer esse esforço de colocação e ainda ir sprintar é muito difícil. Foi uma prestação muito boa”, elogia o selecionador nacional, José Poeira.
Fonte: Federação Portuguesa Ciclismo

 
  Estatuto Editorial | Ficha Técnica | Apresentação | Galeria Multimédia | Contactos
Revista Notícias do Pedal

 

Copyright © 1999 a 2022 - ® Revista Notícias do Pedal - Todos os Direitos Reservados
Este site está optimizado para ser visualizado em 1347x533